Quem Escreve

Carol Wieser (autora)

Brasileira. Nasci(*80) no interior de Santa Catarina (Joaçaba) e morei lá até os 16 anos de idade, depois fui para Curitiba-PR estudar, onde moro até hoje. Sou casada com Bibo, minha paixão, meu amigo, companheiro, mochileiro e viajante preferido. Também sou mãe de um casal, que adoram viajar junto, especialmente para destinos molhados. Tenho descendência Austríaca, mas não falo alemão, não!!

Sou formada em Design Gráfico pela PUC-PR (2001). Trabalho com design/mídias sociais em Curitiba-PR. Brinco que é o meu ganha pão viagens. 🙂

Adoro viajar, viajar e viajar! Morei em Sydney | Austrália (10 meses) e já viajei um tantinho. Conheci lugares como Austrália, Tailândia, Indonésia, Nova Zelândia, África, Ilhas Maurícius, República Dominicana, México, Argentina, Estados Unidos entre outros… Estou sempre planejando uma próxima viajem e AMO destinos azuis. Dizem que eu respiro melhor embaixo d’agua… kkkk

Travel Forever, Work Whenever!

🙂

Vanessa Thiesen (colaboradora)

Quem sou eu?
Eu sou a Vanessa [Mortari Thiesen]
Sou catarinense, lageana e já passei dos 30…
Vim morar em Floripa para estudar Odontologia na UFSC e por aqui fiquei – já se passaram 15 anos e cá ainda estou!
Hoje, cirurgiã-dentista, ortodontista e administradora de minha clínica, trabalho bastante para, dentre outras coisas, poder realizar algo que tanto gosto: Viajar!

Como vim parar no Blog Travel Forever?
Caroline e eu partilhamos da mesma paixão – ela com um blog sobre o assunto há bastante tempo e eu com muitas histórias e vontade de contá-las. Em nossas conversas, as viagens sempre foram um assunto recorrente e daí surgiu a idéia de eu ser colaboradora do blog. E eis que, então, surgiu meu primeiro post, sobre Santorini: uma viagem especial e inesquecível. E, depois desse, vários outros…e espero que muitos ainda venham 🙂

Por fim, nada resume mais a paixão que tenho por viajar que esse texto de Amyr Klink:

“Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser. Que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver”

Travel Forever, Work Whenever!

🙂

 

  • Comments are closed.